7.7.06

Lente


Penso naquele país
ao mesmo tempo meu e estrangeiro
nesse lugar chamado rio de janeiro
onde fui tão feliz, tão infeliz
que hoje é memória cada vez mais fina
palmeira, asfalto quente, solidão
alguém de noite mijando numa esquina
a tarde a agonizar no calçadão
e uma parte da vida que ficou
parada nesse nome de cidade
o que seria um dia mas não sou
nem alegria então, nem já saudade

se ao menos conhecesse o nome
dessa coisa que sinto quando penso
na cidade que pouco a pouco some
enquanto, lá tão longe, o rio imenso
transborda de si mesmo, e de mim
nem um vestígio guarda, grão de areia
que o mar encharca e o sol enxuga sem fim
na praia larga e violenta e alheia
se ao menos um nome tivesse
essa coisa que trouxe na bagagem
nem alegria nem saudade, esse
outro país que desfoca a paisagem

2 comentários:

  1. Vim bater à porta do seu blog sei lá como, eu aqui em Vila Velha/ES, você em Lisboa. E agora fico sabendo que é brasileiro. O Rio (morei lá) deixa-nos assim, em estado de vazio e adoração, emoção que não se explica, pedaço de mim partido por lá. E vou levando os cacos cariocas pra onde vou.
    Prazer em conhecer (vc está no link do meu blog). Abs.

    ResponderEliminar
  2. Mto bom! Vc deveria publicar! Esse poema para os barsileiros auto exilados pelo mundo eh perfeito! Alias, todos seus poemas sao lindos! Parabens!

    ResponderEliminar

Follow by Email