19.11.06

Legado


Não carne, rala e mole, não do sangue
por movediços leitos, a corrente
não a escorrer saliva e fel, os dentes
não cabelos de cores flutuantes
nem aquilo que é meu se o peço e dou
e, demais ou de menos, lego à frente
- que, sendo meu, só e sempre me prende
cólera, medo, angústia, embora amor
não a aparência líquida onde nada
tão provisória, a existência, guarda
a deixa que há de ti no que sou eu

mas a alegria que desse mar desce
praia onde toda outra onda emudece
grão outro modo sólido - fiel.


in Poemas durante a chuva, Lisboa, Mariposa Azual, 1999.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email