5.4.16

Eco

para eu te querer mais fazes-te rara
dissipas-te entre quando e nunca mais
vasculho e lá não estás
chamo-te e calas
meu eco pela sala
onde andarás?

procuro provas de que foste um dia
faz um segundo
tanto tempo faz
teu fundo ainda em minha mão vazia
diz-me que voltarás
não voltarás

foste cabelo
cheiro
pele
língua
o espesso instante - e agora o que retenho?
quatro sílabas de um nome
o desenho

da sobrancelha em forma de talvez
e um vestígio feliz que aos poucos míngua
venceste
te desejo
agora vens?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email