26.8.05

A aranha Epifânia


Era uma vez uma aranha
que se chamava Epifânia
e o dia inteiro, sem pressa,
esperava a sua presa.

O sol, por não gostar dessa
forma de ser, arremessa
sua incendiária seta
contra a armadilha de seda

mas não tem sorte e se enleia
a luz do dia na teia.

A aranha Epifânia, quieta
espera o sol que se agita
tecer seu próprio novelo
só então se põe a comê-lo

com mandíbulas de aranha
e uma calma de rainha
até estar de luz tão cheia
que dorme na sua teia
sua merecida sesta.

Do dia agora o que resta
é essa aranha em sua teia
que o pôr do sol encandeia.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email